Anterior
Gabriel García Márquez perdeu a memória
Seguinte
Jorge Araújo comenta o Expresso desta semana
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   "A Argélia não está imune à Primavera Árabe"

"A Argélia não está imune à Primavera Árabe"

Argélia celebrou, na quinta-feira, o 50º aniversário da independência. Em entrevista ao Expresso, Catarina Mendes Leal, autora do livro "Magrebe, Islamismo e a relação energética de Portugal" refere que "a grande incerteza será após a saída de cena do Presidente Bouteflika".
|
'A Argélia não está imune à Primavera Árabe'

A Argélia está imune à Primavera Árabe?

Não. As revoltas árabes e as mudanças de governo no Norte de África, cuja dinâmica política futura vai ser fortemente influenciada pelas dinâmicas de conflito no Golfo Pérsico e no Levante, com risco de transformar o Mediterrâneo numa região muito mais instável e turbulenta, fazem com que nenhum país da área esteja imune.

Mas recorde-se que os regimes políticos árabes, em geral, e os do Magrebe, em particular, conseguiram durante a década anterior manter o controlo exclusivo sobre as alavancas essenciais do poder nas mãos de um pequeno grupo.

Com efeito, a título ilustrativo, a concentração do poder de decisão está organizada em torno da "Casa Real" (Marrocos), da "Casa Militar" (Argélia) e esteve, até ao início de 2011, em torno da  "Casa Presidencial" (Tunísia). E, se é certo que nessa década consentiram uma pequena abertura eleitoral, a qual foi bastante limitada, interditaram qualquer veleidade contestatária por parte das forças sociais.

Não obstante, há que sublinhar que, em termos de repressão e de utilização da violência, não se manifestaram com a mesma intensidade no "Estado-Makhzen" (Marrocos), no "Estado-Exército" (Argélia) ou no "Estado-Polícia" (Tunísia).

Em suma, a Argélia (à semelhança dos países desta área) apresenta, por um lado, uma série de deficiências no seu funcionamento politico-institucional, incluindo falta de participação política e repressão dos grupos de oposição. Por outro, regista uma acumulação de tensões sociais crescentes que têm a sua base no desequilíbrio demográfico, o qual combinado com problemas estruturais económicos, conduziu a elevadas taxas de desemprego entre as camadas mais jovens. Paralelamente, há um conflito de valores entre as elites de influência ocidental (sobretudo francófona) e a maioria da população.

O resultado obtido pela Aliança Argélia Verde (coligação islamita) nas legislativas de 10 de maio, aquém das expectativas, numa altura em que no contexto da Primavera Árabe partidos islamitas estão a subir ao poder, significa que a Argélia teme a repetição do cenário de 1991 (quando a FIS salafita venceu as legislativas, que foram anuladas pela cúpula militar)?

A vitória da Frente de Libertação Nacional (FLN) acaba por ser um reflexo da gestão efetuada pelo regime (Casa Militar/Estado-Exercíto) em relação à Primavera Árabe. Apesar do descontentamento acentuado manifestado pela população no início desta Primavera Árabe, a implementação de determinadas medidas a nível interno acabaram por atenuar e mitigar a propagação desse tipo de manifestações.

Olhando para os resultados eleitorais, pouco mudou no Governo da Argélia: a FLN e o União Nacional Democrática (RND) continuam a deter a liderança. O Movimento da Sociedade para a Paz (MSP, partido islamita e que fez parte dos governos de coligação - Aliança Presidencial - desde 2007 até ao final de 2011) juntou-se na Aliança Argélia Verde (AAV) aos outros dois partidos de base islamista - El Islah (a Reforma) e ao Ennahda (Renascença), desempenhando agora um papel de oposição, mas continuando no Parlamento.

Enquanto houver uma manutenção do status quo do atual poder argelino, o cenário de 1991 não poderá ter lugar. A grande incerteza será em torno da evolução da Argélia após a saída de cena do atual Presidente Bouteflika.

A dependência energética de Portugal em relação à Argélia pode ser um fator de vulnerabilidade para o nosso país, na eventualidade da Argélia vir a ser palco de uma transformação política semelhante à que aconteceu nos vizinhos Tunísia, Egito e Líbia?

A dependência energética de Portugal em relação à Argélia deve ser analisada individualmente a nível de petróleo e de gás natural. Em relação ao petróleo, Portugal importa de mais de uma dúzia de países. E apesar da Argélia ter um peso importante (oscilando entre 8% e 12%, consoante os anos), não está na dependência da Argélia (tem opções).

Em relação ao gás natural, a situação é diferente pois quase metade do nosso gás natural vem da Argélia (via gasoduto) e a outra metade vem da Nigéria (país que também apresenta grandes vulnerabilidades).

No Magrebe, o reforço dos movimentos islamistas começou no final dos anos 1970 (resultado de uma conjugação de fatores: crise nos respetivos modelos pós-coloniais de desenvolvimento em ligação com desenvolvimentos internacionais específicos). O avanço do Islão político foi encarado e "tratado" de forma diferente pelos países da área, tendo em consideração que os partidos islamitas não só representam grande parte da população argelina (bem como Marrocos), como também demonstram um grande interesse em reformas da lei, boa governança e democracia.

Estes partidos islamistas que têm participado no processo político têm-se tornado mais pragmáticos e estão dispostos a estabelecerem compromissos desde que passaram a estar numa posição em que podem perder o estatuto e a influência e têm sido forçados a lidar com os problemas políticos reais.

Não me parece que a integração do Islão político moderado venha a ser um foco de instabilidade para os respetivos Estados e para as relações com os outros Estados que ameace o abastecimento energético a Portugal. Pode sim haver lugar ao endurecimento negocial por parte dos Governos locais.

Num cenário extremo, poderia assistir-se a um reforço dos grupos terroristas da Al-Qaeda no Magrebe Islâmico (AQMI) que se aventurassem a atacar infraestruturas energéticas chave, na Argélia ou que partam dela.







Opinião


Multimédia

Os assassínios, as execuções, as decapitações são as imagens mais chocantes de uma propaganda cada vez mais sofisticada. É a Jihad, que recruta guerrilheiros no ocidente para matar e morrer na Síria. O Expresso seguiu as pisadas de cinco jiadistas portugueses, mostrando quem são e como foram convertidos e radicalizados. E como lutam, como foram morrer - e como já haverá arrependidos com medo de fugir. Reportagem em Londres, no café onde viam jogos de futebol, na universidade onde estudavam e na mesquita onde rezavam. Autoridades e especialistas em terrorismo estão alerta sobre este pequeno mas perigoso grupo, onde corre sangue português - e de onde escorre sangue por Alá.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.

Geração Z

Mais rápidos, mais capazes, mais solitários, os Z vivem agarrados aos ecrãs, pensam com a ajuda da internet e estão permanentemente preocupados com a bateria do telemóvel. Que geração é esta que nasceu com a viragem do século?

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.


Comentários 1 Comentar
ordenar por:
mais votados
Excelente entrevista
Excelente entrevista. Quer da parte da entrevistadora quer da entrevistada.

Onde posso comprar o livro que referem? Alguém me sabe dizer?

Cumprimentos,

António

oreivaivestido.blogspot.pt
Comentários 1 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador

PUBLICIDADE

Pub