1
Anterior
5. Os antitranspirantes causam cancro?
Seguinte
7. As feridas curam-se melhor se puderem respirar e não lhes tirarem ...
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossiês Tecnologia e Ciência  >  Ciência com humor  >   6. As escovas de dentes espalham doenças?

6. As escovas de dentes espalham doenças?

|
Não tome banho em dias de tempestade
O jornalista Anahad O'Connor, do 'The New York Times', reuniu num livro com um título bem humorado as respostas científicas às perguntas que todos nós fazemos sobre a saúde e o mundo que nos rodeia. E desfaz muitos dos mitos que andam na nossa cabeça desde a infância.

Clique para ler Ciência com humor , onde, até dia 30 de Janeiro, publicaremos a resposta a uma pergunta. Aproveite e deixe a sua opinião.

6. As escovas de dentes espalham doenças?


De todas as coisas que as pessoas armazenam nos seus armários de medicamentos - comprimidos, lâminas de barbear e sabonete antibacteriano - as escovas de dentes deveriam parecer as mais inócuas. A maior parte dos dentistas discordaria - pois as escovas de dentes são um campo ideal para a formação de germes.

Poucas pessoas o sabem, mas as bactérias pululam nas escovas de dentes, que lhes fornecem comida e água em abundância. E não se esqueçam que as escovas de dentes se encontram numa das divisões mais carregadas de germes: a casa de banho.

Os investigadores descobriram que os "streptococcus", os "staphylococcus", a gripe e o herpes, entre outros agentes patogénicos, podem sobreviver nas escovas de dentes. A American Dental Association aconselha a substituir a escova pelo menos de três em três ou de quatro em quatro meses.

Mas os micróbios podem já ter lá assentado muito antes disso. As bactérias e os vírus numa escova podem facilmente espalhar-se para outra e partilhar a sua escova com outra pessoa causa doença, como já se demonstrou. A única coisa que é preciso para os germes saltarem e colonizarem as cerdas de outra escova é colocá-la ao lado da de outra pessoa.

Então, de onde é que vem toda essa quantidade de germes da casa de banho? Há várias formas da sua escova dos dentes ficar contaminada. Um estudo no jornal 'Applied Microbiology' mostrou que as gotinhas de água carregadas de bactérias que disparam para o ar quando se descarrega o autoclismo podem "permanecer suspensas o tempo suficiente para assentarem de seguida em superfícies de toda a casa de banho".

Não é um pensamento muito agradável, mas é bom saber. O melhor conselho de higiene oral para hoje: evitem o armário de medicamentos e a casa de banho. As bactérias preferem lugar quentes, escuros e húmidos - como um armário -, e por isso um especialista que estudou escovas de dentes e transmissão de doenças durante anos - Tom Glass, professor de ciências patológicas e medicina dental na Oklahoma State University (EUA) -, recomenda colocar a sua escova num ambiente aberto perto da janela de um quarto, por exemplo. Certifique-se de que a escova de dentes está colocada verticalmente e não deitada.

E apesar da crença popular de que as escovas eléctricas são muito melhores para a saúde da sua boca, estas atraem mais germes e podem ser duras para as gengivas. O melhor será usar uma escova manual com uma cabeça clara e pequena.

Não se sabe muito bem porquê, mas as cabeças de escovas dos dentes translúcidas e de cores claras parece que abrigam níveis mais baixos de microrganismos. Isto poderá ter alguma coisa a ver com o facto de uma cabeça clara permitir que a luz, que mata os germes, passe por ela.

Tente substituir a sua escova dos dentes pelo menos de dois em dois meses. Além disso, há outra razão para não usar uma escova de dentes demasiado tempo: ao recuperar de uma doença pode facilmente voltar a infectar-se ao usar a mesma escova.

Um repórter de ciência e saúde

Anahad O'Connor, de 27 anos de idade, nasceu e vive em Nova Iorque, licenciou-se em psicologia pela Universidade de Yale e é repórter do The New York Times desde 2003, cobrindo nomeadamente as áreas da ciência e da saúde. Tem ainda uma coluna semanal no mesmo jornal, a "Really?", que sai à terça-feira na secção Science Times. Quem quiser pode pôr-lhe qualquer questão sobre saúde. Basta enviar um mail para sctimes@nytimes.com e esperar pela resposta. O próprio repórter faz um apelo aos leitores do seu livro para lhe enviarem "uma pergunta persistente sobre saúde que tem andado a incomodá-lo e que gostaria de ver respondida".


Opinião


Multimédia

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola, em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

United Colors of Gnocchi

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Strogonoff de peixe espada preto

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Caril de banana

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Cantaril com risotto de espargos

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.


Comentários 1 Comentar
ordenar por:
mais votados
SIM
Claro que as escovas de dentes se não forem desinfectadas espalham bactérias nas nossas bocas.
Antes de serem usadas devem ser desinfectadas ou com um bom sabão (alcatrão, por exemplo) ou água oxigenada. Não basta passar por água porque ficam húmidas e cheias de «vidas perniciosas». E não devem durar muito. Portanto, o conselho «médico» para lavar a boca, é incompleto porque só pensa na pasta de dentes e não na desinfecção da escova. Até se pode dispensar a pasta, desde que a a escova esteja devidamente desinfectada. Os africanos têm os dentes branquíssmios e saudáveis e não usam pasta de dentes, mas um «pau» fibroso que vão mastigando logo pela manhã em jejum.
Rui Ramos
É as escovas de dentes e mais 1 milhão de outras

Coisas...

E as WC públicas? E os transportes públicos? E os copos (recipientes) nos restaurantes e cafés? E os beijos? E ...

Conselho: TENTEM APROVEITAR A VIDA QUE É CURTA E BOA!
Comentários 1 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub