Anterior
Greve na CP: onze comboios suprimidos
Seguinte
Soares: "A troika fala de mais, é uma pouca-vergonha"
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   50 milhões de eleitores estão a votar no Egito

50 milhões de eleitores estão a votar no Egito

São as primeiras eleições livres da história do país, e a mais importante da Primavera Árabe. Egípcios vão decidir que vai ser o sucessor de Hosni Mubarak. Amr Mussa  e  Abdel Fotouh são favoritos entre 12 candidatos. Clique para visitar o dossiê Revoltas no Magrebe e no Médio Oriente
agências |
Egípcio feliz por poder escolher o próximo Presidente
Egípcio feliz por poder escolher o próximo Presidente / Mohamed Abd El-Ghany /Reuters

Além do novo Presidente do Egito, 50 milhões de eleitores estão hoje a escolher também, de alguma forma, o modelo de Estado que desejam. As funções do Chefe de Estado eleito serão definidas por uma Constituição a escrever. Doze candidatos, uns islamitas, outros mais laicos, disputam o cargo de sucessor de Hosni Mubarak.

Clique para aceder ao índice do Dossiê Revoltas no Magrebe e no Médio Oriente

As assembleias de voto abriram pelas 8h (7h em Lisboa) no Egito para as eleições presidenciais, são as primeiras desde a queda de Hosni Mubarak, derrubado em fevereiro de 2011.  Filas de cidadãos foram-se formando junto às diversas assembleias de voto no Cairo, ainda antes da abertura das urnas que devem encerrar pelas 20h locais.

De acordo com as últimas sondagens, há pelo menos quatro candidatos favoritos. Dois laicos e dois islamitas. Amr Mussa, ex-secretário-geral da Liga Árabe e ministro os Negócios Estrangeiros de Mubarak é aquele que terá mais apoios. Os demais são Abdel Fotouh, antigo Irmão Muçulmano; Ahmed Shafik, o último primeiro-ministro de Mubarak, que prometeu pacificar as ruas e tirar o país da ruína económica, e Mohamed Morsy, o candidato oficial da Irmandade Muçulmana,que conta com muitos apoios na população.

Os resultados da primeira volta devem ser anunciados a 27 de maio, e segundo os observadores, é provável que haja uma segunda volta em 16 e 17 de junho.

Alguns  dos candidatos centraram a sua campanha no voto feminino, considerado  chave nestas eleições. Além do papel do Islão, a segurança nas ruas e a crescente crise económica têm sido os temas de campanha. Mas nenhum dos candidatos ousou falar sobre o futuro papel da Junta Militar que até aqui governa o país.

 

 


 


Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 2 Comentar
ordenar por:
mais votados
Se a história se repetir...


Vão colocar lá uns sacanas tão bons como os anteriores...
O CAMINHO MAIS CURTO
Nas eleições presidenciais egípcias, teremos mais uma fase da turbulenta transição pós- Mubarak, parte do processo da “primavera árabe”.

Os partidos islamistas tiram proveito das oportunidades democráticas ou das fracturas na velha ordem em vários países do Médio Oriente e Norte de África como estratégia de chegada ao poder.

A ascensão de partidos islamistas radicais pelo voto, mostra como os instrumentos da democracia podem ser usados para acabar com a própria democracia. Como a liberdade pode ser usada para coibir a liberdade.

Eleitos, partidos islâmicos podem reprimir liberdades individuais e perseguir minorias apesar de terem sido eleitos democraticamente e reflectirem a vontade da maioria

Nesta “primavera árabe”, a Irmandade Muçulmana q apesar de ter prometido não concorrer à presidência foi ofuscando o avanço de grupos ainda mais extremistas, como os salafistas.

São grupos q expressam posições rígidas e feroz oposição ao sistema democrático de governo, embora participem nas eleições.

É ilusório pensar q os partidos islamistas estão realmente dedicados ao compromisso democrático e à tolerância. A linguagem vaga destas forças alimenta o temor de alguns dos seus opositores, como minorias religiosas, mulheres e liberais.

Os fundamentalistas bem aprenderam, q o discurso da moderação é o caminho mais curto para chegar ao poder.
Comentários 2 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub