Anterior
3.000 mortos em massacre no Sudão do Sul
Seguinte
Mulher morre em incêndio em Vila Nova de Gaia
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   200 milhões em todo o mundo usam drogas ilícitas

200 milhões em todo o mundo usam drogas ilícitas

Estudo da revista "The Lancet" conclui que o uso de drogas é mais comum nas economias ricas e em regiões produtoras de países pobres.
Lusa |
"O uso de canábis está associado à dependência e doenças mentais", refere o estudo
"O uso de canábis está associado à dependência e doenças mentais", refere o estudo / Jeff Chiu/AP

Cerca de 200 milhões de pessoas em todo o mundo usam drogas ilícitas, de acordo com um estudo publicado hoje no "The Lancet" .

O estudo estima que em 2009 entre 149 e 271 milhões de pessoas usaram drogas.

Os consumidores de canábis foram contabilizados entre 125 e 271 milhões, os usuários de opiáceos (morfina e heroína), anfetaminas ou cocaína representam um universo de entre 15 a 39 milhões de pessoas, e os que injetam drogas intravenosamente foram estimados entre 11 e 21 milhões.

De acordo com o jornal, o uso de drogas é mais comum nas economias ricas e em regiões produtoras de drogas dos países pobres.

"O uso de canábis está associado à dependência e doenças mentais, incluindo psicose, mas não parece aumentar substancialmente a mortalidade", refere o estudo.

Ecstasy e LSD ficaram de fora


Por outro lado, "o consumo de ópio representa uma causa de mortalidade elevada, devido às overdoses e dependência", adianta, observando ainda que as drogas injetadas comportam riscos acrescidos para os consumidores, como o de contrair doenças como a Sida e hepatite por via da partilha de seringas.

Os três tipos de drogas parecem estar associadas com as elevadas taxas de doenças mentais, acidentes rodoviários e violência.

O estudo é baseado em números da agência das Nações Unidas sobre as Drogas e Crime (UNODC), inquéritos nacionais e outros estudos sobre o impacto do uso de drogas.

O ecstasy, LSD, e uso de medicamentos não prescritos ou esteroides não foram incluídos no estudo.


Opinião


Multimédia

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 7 Comentar
ordenar por:
mais votados
Dentre as drogas ilícitas,
é preciso acrescer a dos políticos corruptos e, então, ao final, muitos mais serão os atingidos... Rio Grande
Em compensação...

"... o uso de drogas é mais comum nas economias ricas e em regiões produtoras de países pobres."

Em compensação, um outro tipo de drogas ("ópio do povo") é bastante mais comum nos países pobres, sendo o seu consumo bastante mais raro nos países ricos.

E, se 200 milhões de pessoas consomem drogas ilícitas, também se deve registar que cerca de 6 mil milhões de pessoas consomem "ópio do povo".

«"O uso de canábis está associado à dependência e doenças mentais, incluindo psicose, mas não parece aumentar substancialmente a mortalidade", refere o estudo.»

De igual forma se pode dizer que, secundando as palavras de Sigmund Freud, o consumo de "ópio do povo" mais não é do que uma "psicose colectiva".

Typical american low IQer news
Epá, pelo amor à inteligência não quotem e espalhem informação errada, eu sei que é típico vocês jornalistas serem uns brainwashed tools mas abram um harrison antes de publicar coisas idiotas sobre a cannabis, aprendam como funciona o cérebro e depois leiam de fontes cientificas credíveis e analisem toda a data antes de virem para aqui publicar barbaridades como "The major adverse health effects of cannabis use are dependence and probably psychotic disorders and other mental disorders."
legalizaçao
Já era tempo do governo legalizar esta economia clandestina. Haveriam melhorias a nível social e económico.
Re: 200 milhões em todo o mundo usam drogas ilícit
"mas não parece aumentar SUBSTANCIALMENTE a mortalidade" Que notícia vergonhosa. Saiba quem a escreveu que não existe uma única morte registada devido ao consumo de canábis, logo ela não aumenta nem deixa de aumentar a taxa de mortalidade porque não contribui para ela. Os estudos que a ligam à psicose são no mínimo questionáveis e desmentidos por outros tantos estudos. A canábis é consumida por doentes e receitada por médicos sérios em Hospitais de países que supostamente respeitamos. Triste é que haja quem seja pago para escrever estas mentiras, para partilhar mitos e seja inclusive incapaz de contactar as pessoas que trabalham com a causa em Portugal há anos para, pelo menos, tentarem ouvir outra versão. Pesquisem por "MGM Lisboa". Fico muito triste ao ver um jornal que respeito publicar estes mitos há tanto desacreditados.
A sério?
Já está quase tudo estudado acerca das drogas conhecidas. Já toda a gente sabe que não se morre pelo consumo de cannabis por muito elevado que ele seja. Já o alcool que é uma DROGA e MATA muita gente, para além dos distúrbios sociais por ele causados, não é tido em conta na maior parte destes estudos. As pessoas começam a livrar-se aos poucos do tal "brainwashing". Depois é que vão ser elas...
drogas...
As pessoas usam drogas porque a sua natureza não lhes permite atingir níveis de felicidade e satisfação para os quais o Homem foi criado.
O problema é que esses níveis superiores do ser (que S. Paulo chamava Homem Espiritual), não podem em nenhum caso ser obtidos através de drogas.
Aliás se assim fosse não podiam produzir efeitos negativos, além de que seria batota.

O Homem Espiritual é algo que se merece e não algo que se obtenha com dinheiro e drogas.

Mas isto tem pelo menos uma virtude: mostrar que esta natureza humana não presta e aspiramos a algo (que desconhecemos mas sabemos que existe - estranho não é?) de superior que só pode vir de Deus que é o nosso "fabricante" e "isto" só funciona bem com "peças" originais!
Comentários 7 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub