Anterior
Deixem o Cristiano Ronaldo em paz!
Seguinte
Paulo Bento e o caso "a minha pilinha é maior do que a tua"
Página Inicial   >  Blogues  >  100 reféns  >   "11 por todos e todos por 11" ou o anúncio mais idiota de sempre

"11 por todos e todos por 11" ou o anúncio mais idiota de sempre

|

Achava que a estupidez em formato publicitário já tinha pouco a inovar. Enganei-me redondamente. Obrigado Galp. Faltam-me palavras para descrever o que me faz sentir o anúncio de "apoio" aos jogadores da seleção. Um petiz - o Guilherme - tem um sonho. Segundo ele (e segundo a Galp que lhe deu a carta para ler) é igual ao de todas as crianças da idade dele: "jogar na seleção" . Até aqui tudo mais ou menos, mas vamos ao que interessa:

"Correr como vocês e marcar golos como vocês marcam". Fiquei preocupado com a saúde do Guilherme. Alguém leve o rapaz ao oftalmologista. "Golos"? Tendo em conta que escreveu a carta antes do jogo com a Dinamarca não sei a que golos se refere, mas adiante. "A maioria dos meus amigos quer ser como vocês, mas o meu sonho não é esse" Então rapaz? Decide-te! Queres ser ou não jogador de futebol? Não podes dizer uma coisa e meio minuto desdizer, as pessoas vão achar que és tolo ou mentiroso. Eu sei que não tens culpa, mas não leias tudo o que te dão para a mão porque fazes estas figuras e não há necessidade. "Quero ser médico ou Biólogo..." . Ah ok. Então boa sorte.

"...e gostava de trabalhar em Portugal mas só fico se valer a pena. E é aí que vocês entram". Aparentemente para a GALP o rapaz só vai poder ser biólogo em Portugal se a seleção for boa nas transições ofensivas. E médico só mesmo se ganharmos o Euro. De outra forma vai acartar tijolos para uma obra.

"Para milhões de pessoas Portugal são vocês". Ou seja, para milhões de pessoas o nosso país é um grupo de jogadores que entra em campo com o mesmo aspecto que a Tina Turner tinha quando pisava os palcos nos anos 80. "Vocês têm nos pés uma oportunidade que os nosso médicos, advogados e políticos nunca terão nas mãos". Não percebi. O Fábio Coentrão faz cirurgias? O Nani é bom a litigar? Paulo Bento a Presidente da República? E cada macaco no seu galho, não?

"Têm a oportunidade de mudar em campo a opinião que o mundo tem de nós, de mostrar que não somos fracos e preguiçosos, sempre fomos e continuamos a ser um povo honesto, lutador e corajoso". O que é isto? Depreendo que para os autores desta coisa a imagem dos portugueses lá fora é a de uma cambada de mandriões, desonestos, fracos e cobardes. Por isso reside nos pés destes jogadores a derradeira esperança para sanar o estigma. Para a Galp a seleção é uma espécie de junta de salvação nacional escovada pela Lúcia Piloto.

"Nove séculos de história não se deitam assim para o lixo". Ora bem, finalmente algo acertado. Só gostava que alguém se tivesse lembrado disto quando decidiram produzir esta treta pseudo-patriótica.

 

 

 

 

 

Acompanhe o 100 Reféns no Facebook

Na página oficial do 100 Reféns no Facebook juntam-se pessoas que gostam e que não gostam, que odeiam e que adoram, que veneram e que detestam, mas que não são indiferentes a este blogue do Expresso. Dê um passo e junte-se a nós.

Clique no link para aceder à página do 100 Reféns no Facebook .



Opinião


Multimédia

Os assassínios, as execuções, as decapitações são as imagens mais chocantes de uma propaganda cada vez mais sofisticada. É a Jihad, que recruta guerrilheiros no ocidente para matar e morrer na Síria. O Expresso seguiu as pisadas de cinco jiadistas portugueses, mostrando quem são e como foram convertidos e radicalizados. E como lutam, como foram morrer - e como já haverá arrependidos com medo de fugir. Reportagem em Londres, no café onde viam jogos de futebol, na universidade onde estudavam e na mesquita onde rezavam. Autoridades e especialistas em terrorismo estão alerta sobre este pequeno mas perigoso grupo, onde corre sangue português - e de onde escorre sangue por Alá.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.

Geração Z

Mais rápidos, mais capazes, mais solitários, os Z vivem agarrados aos ecrãs, pensam com a ajuda da internet e estão permanentemente preocupados com a bateria do telemóvel. Que geração é esta que nasceu com a viragem do século?

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.


Comentários 25 Comentar
ordenar por:
mais votados
MUITO BOM!
Artigo excelente... :)

Este nacionalismo/patriotismo saloio e hipócrita já mete nojo!

A selecção de futebol não é Portugal! É apenas um bando de meninos ricos que ganham demasiado dinheiro em relação àquilo que fazem… A selecção de futebol em nada representa Portugal e ao contrário do que nos andam a impingir há demasiado tempo, não traz qualquer prestígio para o nosso país.
Prestígio seria não termos cá o FMI a imiscuir-se no nosso destino; prestígio seria sermos um país evoluído socialmente, economicamente e tecnologicamente, algo que não acontece.

Portugal é um território físico com portugueses e não uma selecção de futebol.
Gostaria de saber se aqueles que tanto gritam por Portugal nos jogos da selecção:
- respeitam os outros Portugueses no dia-a-dia, como por exemplo no trânsito quando estão a conduzir;
- estragam a propriedade pública ou sujam-na deitando lixo para o chão;
- fazem reciclagem – há algum tempo deu uma reportagem na televisão a realçar a importância da indústria de reciclagem na economia nacional (e é algo que se faz de modo gratuito e sem perder tempo), isto sem falar nos benefícios ambientais;
- vão festejar a vitória da selecção de carro, contribuindo assim para aumentar a importação de petróleo e consequentemente o nosso défice comercial;
- são solidários para os outros portugueses, fazendo por exemplo voluntariado;
- etc., etc, etc.
...
Re: MUITO BOM!
Re: MUITO BOM!
Ó Tiago,
Tá muito bom, o texto! Desmonta, passo a passo, o anúncio e fá-lo com inteligência e ironia qb.
Texto fantástico!!!
Com imenso bom senso e humor. Parabéns, Tiago.
Da primeira vez que ouvi o anúncio, levei tempo a acreditar... É, efectivamente, a prova de que para a imbecilidade não há limites. Esta do "se vocês ganharem, eu fico em Portugal, se perderem vou-me embora daqui para fora, porque isto, afinal, só com boas performances futebolísticas é que vale a pena" é surreal, e devia haver alguma "entidade reguladora" que proibisse este tipo de "mensagem".
MUITO BOM! (2)
Eu não estou a torcer pela selecção – estou a borrifar-me se eles perdem ou ganham –, estou sim a torcer por Portugal, o meu país!

E já agora, para aqueles saloios que insistem em pendurar as bandeirinhas nacionais (muito provavelmente feitas no estrangeiro!) ao menos que as coloquem correctamente – a parte verde fica do lado esquerdo e não a vermelha! Nem sequer sabem para que lado fica a bandeira nacional! Idiotas!

Vão lá entreter-se com a treta da 'bola' e do Europeu e não abram os olhos e depois queixem-se que não têm dinheiro para pagar as dívidas – enquanto vocês andam distraídos, a ‘elite’ mundial aperta o cerco e cada vez somos mais controlados, manipulados e cada vez temos menos direitos e liberdades.
Mas como dizia um imperador romano… dê-se suficiente pão e muito circo ao povo e será fácil controlá-lo! Vão ver o ‘circo’ zombies!

Ah, e quando me vierem com peditórios como por exemplo o Banco Alimentar eu mando-os ir pedir à selecção de futebol…
Re: "11 por todos e todos por 11" ou o anúncio ma

Pois é.
Se a estupidez pagasse imposto a Galp daria uma ajuda preciosa ao Gaspar.
CONCORDO COM O ARTIGO, PORQUE:
1º Os estrangeiros não têm essa ideia dos portugueses, antes pelo contrário; o nosso problema são as chefias, ou melhor a falta delas.
2º A nivel de selecção que ganhamos já para sermos exemplo para alguma coisa?
3º Não me revejo nesta cambada de mercenários, que maos parecem os jogos de feiras, só se mexem se meterem a moeda.
4º Revejo-me mais nos técnicos e operários especializados portugueses que trabalham lá fora, assim como em Portugal,e em todos aqueles que têm massa cinzenta e fazem uso dela! ( como é obvio não me revejo nos politicos portugueses ).
Sem interesse
Nem acabei de ler o teu artigo, mas o teu espirito derrotista não te leva a lado nenhum. Nem aos portugueses. Os portugueses não precisam de ter mais uma coisa destas para dizer mal.
Caro Petiz Tiago, saia desse buraco escuro, sff
O título do artigo de opinião deixa logo a desejar -"o anúncio mais idiota de sempre" é exagerado. Por um lado, porque um anúncio idiota pode significar que tem "ideia"; por outro, o cáustico (aquele que decerto pretendia demonstrar) revela que tem pouca cultura publicitária enquanto crítico e até mesmo enquanto espectador. Se puxar pela cabeça já deve ter visto anúncios piores. Ou então, não... A avaliar pela dissertação que faz da campanha da Galp, revela ter uma maturidade intelectual de uma criança de 6 anos, que não consegue descodificar as mensagens para além do sentido literal. Dever-se-ia ter informado um pouco melhor antes de começar a destilar veneno qual "velho do restelo". Ponto um, não foi a Galp que deu a carta ao Guilherme, foi o Guilherme que a escreveu e quis ler aos jogadores. O discurso é verdadeiro e se não formos constantemente pessimistas e negativos na forma como olhamos para as coisas, podemos retirar o lado inspirador. Experimente fazer o mesmo exercício crítico partindo do ponto de vista que aquele petiz de nome Guilherme realmente escreveu aquela carta, e que os jogadores e equipa técnica da selecção realmente o ouviu de forma aberta e receptiva, numa metáfora de partilha de boas intenções. A Galp é uma marca que gera anticorpos pela sua posição quase monopolista, e isso cega logo qualquer artigo que lhe esteja relacionado, mas nem vou por aí. Olhe para as coisas sob um prisma positivo, petiz Tiago, e não seja infantil. Quando crescer será + feliz
Acrescento eu ...
"Não podes dizer uma coisa e meio minuto desdizer, as pessoas vão achar que és tolo ou mentiroso." ou Primeiro-Ministro !!
Re: Acrescento eu ...
Re: "11 por todos e todos por 11" ou o anúncio ma
Eu acho que lá para os lados de Lviv, a rapaziada da seleção devia (na presunção de que têm capacidade suficiente para os assimilar...) ler pelos menos duas vezes ao dia os magníficos textos do Tiago Mesquita, sobre o assunto...
MUITO BOM! (3)
Pois é, é muito bonito gritar por Portugal mas quando chega a altura de contribuir para o país evoluir, está quieto!!
A frase do mês:
"Para a Galp a seleção é uma espécie de junta de salvação nacional escovada pela Lúcia Piloto."
Haja criatividade e bom senso!...
Concordo a 1000% com o Sr no que expôs...

Os anúncios da Galp são anúncios mui fatelas e até encrespa qualquer Português ... A publicidade tem que chegar ao receptor com uma mensagem forte e que o impressione ... e tem que estar a par de uma ou várias necessidades do consumidor ... não é assim que conseguirão... Estes anúncios irritam-me que quando os oiço ... porque estão alienados e são factuais... e apraz-me anular o som ...
Esta mensagem não serve a ninguém!... e temos que gramar com a massificação desta publicidade enquanto a selecção estiver no Euro...

Querem vender ... que vendam o seu produto ... mas ao menos que seja com estilo ...e não falem DE... PELOS portugueses, mas PARA os Portugueses!

Em Portugal há mais vida e Portugueses com Vida além da Vida com Jogadores e Futebol...
INTELIGENCIA VS CHICO ESPERTISMO!!!
ACabei agora mesmo de opinar a antitese do que vou dizer agora (refiro-me ao comentário deste online do Enrique Raposo sobre a Alemanha!)... e só me vem à mente a seguinte expressão:
CONTINUE CARO TIAGO MESQUITA, com as suas análises breves, profundas e que mostram, ao contrário do que se passa com o seu parceiro (Henrique Raposo) a sua finissíma inteligencia... não é por acaso que já lá diz o ditado:
"quem te manda a ti (henrique raposo) sapateiro, tocar o rabecão??? (maestro Tiago Mesquita)...
Mais um grande artigo, continue caro Tiago, para nos ajudar a acreditar que ainda há neste país pessoas muito acima da média em todas as profissões...
Faz muito bem ao nosso EGO...!!!
é verdade
Só ainda vi parte do anuncio, mas pelo pouco que vi fiquei com os cabelos em pé. É piroso, muito piroso, ridiculo, vergonhoso.
Excelente crónica.
A galp ganha tanto que se dá ao luxo de fazer publicidade da treta( somos nós que a pagamos!); se bem que nem sequer necessitam de gastar um tostão com publicidade.

Na volta, na volta, o formato do anuncio e a ideia era mesmo essa. Os criativos quiseram ridicularizar os jogadores da selecção. Quem sabe? Verdade seja dita, o anuncio pegou, caso contrário não estariamos a falar disto. Vou já ali à esquina comprar 5 litros de gasolina, no posto da galp!
Comentários 25 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador

PUBLICIDADE

Pub