Anterior
Teixeira dos Santos ouvido na Comissão de Orçamento
Seguinte
Sócrates pede consenso na aprovação do PEC
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Economia  >  Orçamento do Estado 2010  >   Sócrates: "Défice subiu por decisão do Governo"

Sócrates: "Défice subiu por decisão do Governo"

"Decidimos aumentar o nosso défice não por descontrolo, mas para ajudar a economia, as empresas e as famílias", afirmou o primeiro-ministro, sublinhando que a subida está em linha com a Europa. Clique para visitar o dossiê Orçamento do Estado 2010
Lusa |
Sócrates garante que a subida do défice foi para responder à crise
Sócrates garante que a subida do défice foi para responder à crise / António Pedro Ferreira

O primeiro-ministro considerou hoje que o aumento do défice para 9,3% não resultou de "descontrolo" mas sim de uma decisão do Governo que está em linha com as principais economias mundiais.   

Clique para aceder ao índice do ORÇAMENTO DO ESTADO 2010

"Decidimos aumentar o nosso défice não por descontrolo, mas para ajudar a economia, as empresas e as famílias", considerou hoje José Sócrates na conferência "Orçamento do Estado 2010", organizada pelo Diário Económico e pela Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas.   
 
"O défice orçamental português aumentou por uma boa razão, [aumentou] para responder à crise", vincou José Sócrates.  


Resposta à crise?



Para sustentar esta ideia, o primeiro-ministro comparou o aumento do défice em Portugal nos últimos dois anos com a evolução do mesmo indicador noutros países desenvolvidos.  
 
O défice português, recordou José Sócrates, passou de 2,6% em 2007 para 9,3% no ano passado, o que representa uma subida de 6,7 pontos percentuais.   
 
"E quanto é que aumentou o défice nos países do G-20? A média de crescimento foi de 6,9% nesses dois anos. Nos países da OCDE aumentou 6,8. Nos Estados Unidos, nos dois últimos anos, subiu 9,7%. No Japão 8% e em Espanha 13,8%", argumentou o primeiro-ministro.
 
Para Sócrates, "o facto de o Estado português ter decidido aumentar o seu défice foi para resolver os problemas e numa dimensão em linha com as outras economias". Não se elevou demasiado, mas sim em linha com a média dos países evoluídos e numa proporção aceitável", frisou.  
 
O desequilíbrio nas contas públicas "pode aumentar por uma emergência, como houve em 2009, e tivemos bons resultados, foi [o aumento do défice] que permitiu à economia resistir à crise", sublinhou o chefe do Governo.   


Gastos adicionais subiram défice




O primeiro-ministro considerou ainda que foram os gastos adicionais do Estado português - causadores do aumento do défice - que fizeram com que Portugal tenha conseguido "sair da recessão técnica" e tenha registado "no terceiro trimestre de 2009 um crescimento económico dos mais fortes da Europa".  
 
"Hoje poderemos ter, com boa segurança, a perspetiva de que no final de 2009 a queda do produto será bastante inferior à que se previa no início do ano", sublinhou.  
 
Referindo que "a crise ainda não acabou" e que em 2010 o Estado "vai continuar a fazer num esforço orçamental muito grande", José Sócrates recordou ainda as principais linhas do Orçamento no que diz respeito às prioridades de investimento.   
 
"O défice pode ser bom ou pode ser mau dependendo de uma única coisa: o sítio onde se gasta o dinheiro", disse o primeiro-ministro, apontando as cinco áreas prioritárias do Governo.  
 
As prioridades são os investimentos em barragens, escolas, hospitais, creches e infraestruturas, enumerou.  
 
 
Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Opinião


Multimédia

Temos 16 imagens que não explicam o mundo, mas que ajudam a compreendê-lo

O júri do World Press Photo queria dar o prémio maior da edição deste ano (e talvez das edição todas) a uma fotografia com "potencial para se tornar icónica". A primeira imagem desta fotogaleria, por ser "esteticamente poderosa" e "revelar humanidade", é o que o júri procurava. A fotografia de um casal homossexual russo, a grande vencedora, é a primeira de 16 imagens de uma seleção onde há Messi desolado, migrantes em condições indignas no Mediterrâneo, a aflição do ébola, mistérios afins e etc - são os contrastes do mundo.

Os assassínios, as execuções, as decapitações são as imagens mais chocantes de uma propaganda cada vez mais sofisticada. É a Jihad, que recruta guerrilheiros no ocidente para matar e morrer na Síria. O Expresso seguiu as pisadas de cinco jiadistas portugueses, mostrando quem são e como foram convertidos e radicalizados. E como lutam, como foram morrer - e como já haverá arrependidos com medo de fugir. Reportagem em Londres, no café onde viam jogos de futebol, na universidade onde estudavam e na mesquita onde rezavam. Autoridades e especialistas em terrorismo estão alerta sobre este pequeno mas perigoso grupo, onde corre sangue português - e de onde escorre sangue por Alá.

Hoje é dia de cozido serrano... light

O Talasnal é talvez a mais famosa das aldeias de Xisto da Lousã, cheia de carisma e de pormenores que fazem esquecer o tempo a passar. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta receita.

Vamos falar de sexo. Seis portugueses revelam tudo o que lhes dá prazer na cama

Neste primeiro episódio de uma série que vai durar sete semanas, seis entrevistados falam abertamente sobre aquilo que lhes dá mais satisfação na intimidade. Sexo em grupo, sexo na gravidez, prazer sem orgasmo e melhor sexo após a menopausa são alguns dos temas referidos nos testemunhos desta semana. O psiquiatra Francisco Allen Gomes explica ainda a razão de muitas mulheres fingirem o orgasmo. O Expresso e a SIC falaram com 33 portugueses que deram a cara e o testemunho de como são na cama. Ao longo das próximas sete semanas, contamos-lhe tudo.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.


Comentários 2 Comentar
ordenar por:
mais votados
QUEM TRAVA ESTE COMBOIO DESGOVERNADO?
O Expresso do (des)Oriente(-se) segue a sua marcha, em direcção à ravina cuja ponte já ruíu, depois da próxima curva à esquerda...

Existem várias teorias sobre o dinheiro, economia monetária, poupança e financiamento, etc... e a realidade da mente humana.
O dinheiro desempenha na economia uma função vital como meio de troca e unidade de conta, e deveria perservar o valor das poupanças.

Com a desmaterialização do dinheiro, o sistema financeiro libertou-se de amarras e inovou na criação de produtos financeiros, de forma que multiplicou de facto a massa monetária, ganhando dimensão tal que tornou reféns governos e banqueiros centrais.

Dos príncipios estatísticos que levaram à contracção dos rácios de capital e relação de depósitos e financiamentos, aos mercados de futuros, derivados e securitização de títulos, o monstro sequestrou a economia e tornou-se incontrolável.

Várias teorias passadas, uma verdade prevalece: Se fôr dado a alguém o poder de criar dinheiro, certamente a sua mente humana, imaginativa e gananciosa, o levará ao exagero.

Se o sistema bancário permite alavancar a economia, fazê-lo com recurso ao "saldo negativo" das poupanças constitui só por si um risco sistémico potencialmente explosivo.

O crédito hipoteca rendimentos futuros, mas o futuro é coisa que ainda não existe... e o jogo devia estar limitado aos casinos, com regulação apertada e tributação agravada.

Quem cuida das poupanças de quem ousou não consumir ontem o seu futuro.
Versões diferentes de membros do Governo
O Ministro das Finanças disse diferente de Sócrates.
    Disse que se enganara no cálculo de défice no fim de 2009. Que fizera em Dezembro.
    Por as receitas serem inferiores ao que esperara.
    Não faz sentido tal engano. Porque, precisamente em Dezembro, se fez sentir o efeito do subsídio de Natal e da euforia das compras natalícias. O que terá dado mais IRS, mais IVA, mais IRC e por aí fora.
    Ou será erro crasso de avaliação ou haverá razão escondida.
                                                  António José de Matos Nunes da Silva

Comentários 2 Comentar

Últimas

Ver mais
Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub