Anterior
Relvas vai ter de se demitir para salvar Passos
Seguinte
Sócrates deixou de depender da família
Página Inicial   >  Blogues  >  É preciso topete  >   Sá Carneiro pode ter sido o alvo principal em Camarate

Sá Carneiro pode ter sido o alvo principal em Camarate

|

O deputado Nuno Melo, membro da X Comissão de Inquérito Parlamentar à morte de Sá Carneiro, Amaro da Costa e acompanhantes em 1980, tem denunciado, num trabalho meritório que leva a cabo (a exemplo do que fez no BPN) aquilo a que chama uma "cronologia factual" para decifrar o que se passou em Camarate.

Assenta nas investigações que Amaro da Costa faria ao tráfico de armas para países como o Irão e ao Fundo de Defesa do Ultramar. Este, que vinha do tempo da guerra colonial, manteve-se ativo após a revolução e seria uma espécie de "saco azul" das Forças Armadas, sem controlo governamental, para realização de vários negócios.

Nesta "cronologia factual" há dados que convém acrescentar. E que envolvem também directamente Sá Carneiro na luta política contra o Fundo de Defesa do Ultramar.

Em 27 de Maio de 1980, o governo, então chefiado pelo líder da AD, aprovou em Conselho de Ministros um diploma em que colocava sob a sua alçada todos os fundos autónomos existentes, incluindo o Fundo de Defesa do Ultramar.

É o Decreto-lei 525/80, só publicado em Diário da República em 5 de Novembro de 1980 porque o Presidente da República da altura, Ramalho Eanes, após forte polémica sobre o diploma, demorou cinco meses a promulgá-lo, só o fazendo a 27 de Outubro de 1980.

Mas a 29 de Outubro de 1980, dois dias após a promulgação deste DL 525/80, o Conselho da Revolução aprova o Decreto-Lei 548/80 que abre um regime excepcional para o Fundo de Defesa do Ultramar, retirando-o da tutela do governo.

Este Decreto-Lei 548/80 é muitas vezes considerado erradamente como extinguindo o Fundo de Defesa do Ultramar. Na verdade, como facilmente se avalia pela sua leitura, abre um regime excepcional para o Fundo de Defesa do Ultramar, de forma a que ele permaneça sob a tutela dos militares.

Esta semana, ouvido na X Comissão de Inquérito Parlamentar, Freitas do Amaral disse não saber se o Fundo foi extinto. Na verdade, não o foi.

O Decreto-Lei 548/80 foi quase de imediato promulgado por Eanes, a 7 de Novembro de 1980 e é publicado a 18 de Novembro de 1980.

Este combate de diplomas ilustra bem a guerra em curso entre o governo e os militares por causa da fiscalização e gestão do Fundo de Defesa do Ultramar.

Mas a luta política não ficou por aqui.

Logo após a publicação do DL 548/80, Sá Carneiro suscitou a sua inconstitucionalidade junto... do Conselho da Revolução (que era o órgão competente para o efeito antes de entrar em funcionamento o Tribunal Constitucional em 1982).

Em mais de cinco anos de vida do Conselho da Revolução, criado em Março de 1975, foi a primeira vez que foi suscitada a inconstitucionalidade de um decreto-lei deste órgão revolucionário.  

O governo de Sá Carneiro instaurou também uma peritagem à movimentação contabilística dos últimos cinco anos do Fundo de Defesa do Ultramar, como noticiou a edição do jornal Expresso de 29 de Novembro de 1980, a última antes da sua morte e de Amaro da Costa em Camarate, a 4 de Dezembro de 1980.

Nesta mesma notícia do Expresso, intitulada "Militares estranham pedido de peritagem ao Fundo do Ultramar" (referindo-se que esta desagradou aos altos comandos das Forças Armadas), um porta voz militar "autorizado" declarou ao jornal que "as forças armadas têm competência legal para fiscalizar os seus atos administrativos e financeiros desde 1929 e têm feito isso mesmo nos últimos 50 anos".

Entretanto, na resolução 274/81 do Conselho da Revolução, publicada a 31 de Dezembro de 1981, este, sob parecer da Comissão Constitucional, delibera não se pronunciar pela inconstitucionalidade do DL 548/80 que mantém o Fundo do Ultramar em funcionamento.

 

 


Opinião


Multimédia

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 2 Comentar
ordenar por:
mais votados
'Sá Carneiro pode ter sido o alvo principal...
O seu texto vale pelas provocações baseadas em informações históricas interessantes, mas pouco mais posso comentar, uma vez que nada sei ou quero saber sobre o assunto. Parece-me evidente que o caso Camarate transformou-se rapidamente numa hagiografia a favor do PSD e do CDS, que por tudo e por nada o exploram, permitindo-se ganhar pontos de bónus onde eles deviam ser ilegítimos: na discussão política. Enquanto esse ambiente durar, enquanto for um assunto ressuscitado periodicamente apenas para arregimentar os adeptos da antiga AD no combate político (como atesta o facto de aparecer quase sempre através de mais uma da interminável série de comissões parlamentares sobre o assunto... alguém já calculou os gastos nisto?), vou ter dúvidas das conclusões seja num lado ou noutro. Já não quero saber!
Aliás, a propósito da sua tese de (não-)extinção do fundo, Ramalho Eanes é perentório em 2010: ele era o responsável total das forças armadas até 81, e o fundo foi extinto em finais de 1980. Até nisto, se nota traços da irracionalidade que as hagiografias provocam. Escapa a alguém o apoio discreto de Eanes a esta maioria? Ocorreu a alguém desta ressuscitar as antigas desavenças entre ela e Eanes, usando este caso e tese?
Mas admitindo que está certo, isto leva-me a uma provocação extra-assunto. Se 40 milhões a preço de hoje (?) foram motivo para um assassinato de alto risco, quantos assassinatos (políticos e mesmo físicos) não valeriam 7 mil milhões (?)?
Memórias
Se bem me lembro, a ida de Sá Carneiro, nesse voo, foi resolvida em cima da hora e tinha como objectivo reforçar um comício de Soares Carneiro no Porto.

Foi isso que retirou credibilidade à tese de atentado contra Sá Carneiro, já que armadilhar o avião não é coisa que se faça ao momento.

Que havia tensões e patanisca por todo o lado, era evidente. As razões apontadas pelo cronista, por mais válidas que sejam, caem pela base se, se se confirmar o inesperado da viagem. Então o objectivo terá que ser Amaro da Costa.
Comentários 2 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub