Anterior
Irão pede à Interpol detenção de Olmert
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Atualidade  >  Conflito Israel – Palestina  >   Faixa de Gaza: €3561 milhões para ajudar reconstrução

Faixa de Gaza: €3561 milhões para ajudar reconstrução

Diversos doadores internacionais prometeram hoje um total de 4,48 mil milhões de dólares para a reconstrução da Faixa de Gaza.
|
A última ofensiva israelita em Gaza provocou avultados estragos nas infraestruturas do território palestiniano
A última ofensiva israelita em Gaza provocou avultados estragos nas infraestruturas do território palestiniano / Ali Ali/EPA

O encontro em Charm el-Cheick foi positivo. Só os Estadis Unidos vão disponibilizar 900 milhões  de dólares (709 milhões de euros) para a reconstrução da Faixa de Gaza, mas a secretária de Estado Hillary Clinton condiciona a ajuda ao processo de paz.  

Países do Golfo Pérsico, EUA e a União Europeia figuram entre os principais doadores. A Espanha contribuirá com 180 milhões de euros, dos quais 90 milhões irão para a reconstrução da Faixa e o restante para ser aplicado pela Autoridade Palestiniana, entre outras coisas, no pagamento de salários aos seus funcionários em Gaza.  

Mais de 70 países enviaram representantes ao encontro de hoje em Charm el-Cheikh. Entre os quais o Brasil, que se comprometeu a doar 10 milhões de dólares para ajuda humanitária e reconstrução da zona que foi, recentemente, palco de violentos confrontos com o exército israelita.

O chefe da diplomacia egípcia Ahmed Aboul Gheit diz que o número está "além das expectativas" e acrescenta que alguns países recuperaram verbas que tinham prometido anteriormente mas nunca tinham chegado a entregar, o que elevou o total a 5,2 mil milhões de dólares (4,1 mil milhões de euros).  Aboul Gheit precisa que a ajuda vai ser disponibilizada ao longo de um período de dois anos. 

O ministro do Planeamento palestiniano, Samir Abdullah, refere que as verbas prometidas são destinada à ajuda humanitária e à reconstrução da Faixa de Gaza, assim como ao reforço do orçamento da Autoridade Palestiniana. No entanto, Abdullah diz não estar em condições de indicar quanto vai para o quê. 

O comunicado final da reunião, lido em conferência de imprensa pelo ministro egípcio, apela para a reabertura das fronteiras da Faixa de Gaza, bloqueadas desde que o Hamas tomou o controlo deste território em Junho de 2007. 

O texto também pede aos diferentes grupos palestinianos que intensifiquem os esforços para uma reconciliação e sublinha a necessidade de um cessar-fogo prolongado que substitua a frágil trégua em vigor desde 18 de Janeiro. 

A conferência de Charm el-Cheikh foi convocada para ajudar os palestinianos a reconstruírem Gaza depois da ofensiva militar israelita, que entre 27 de Dezembro e 18 de Janeiro fez cerca de 1.400 mortos e avultados estragos nas infra-estruturas do território.   


Opinião


Multimédia

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola, em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

United Colors of Gnocchi

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Strogonoff de peixe espada preto

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Caril de banana

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Cantaril com risotto de espargos

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.


Comentários 4 Comentar
ordenar por:
mais votados
Israelitas estragam; americanos e europeus pagam!!
Esta é a politica do século XX e XXI!
É pena é que não pague o Bush, o Aznar, o Barroso e o Blair.
Uns constroem outros destroem
As injustiças que vemos faz chorar as pedras da calçada, uns fanaticos terroristas contribuem p/ a destruiçao dum pseudo Pais (faixa de gaza), contribuem para a morte do seu povo e depois entram em cena os apziguadores abutres que contribuem com o negocio do armamento, retiram uma parte do bolo e ajudam a construir aquilo que directa ou indirectamente ajudaram a destruir, mas e as vidas dos inocentes que nao ha dinheiro que pague, que construam antes de destruir, que ajudem quem precisa sem antes os magoar, tantas altas individualidades reunidas neste mundo e nada fazem em prol da humanidade.
Continua a compensar...para alguns!e para nós??
Os EUA como principal fornecedor de armas a Israel á Europa ocidental e aos países mais ricos do Golfo pode pagar os tais 900 milhões de dólares que ainda lhes sobra uns trocos.
Para quem em 2007 aprovou um pacote de ajuda financeira de cerca de 30 mil milhões de usd a Israel a atribuir ao longo de 10 anos os tais 900 de indenização é para rir.
Só a venda de mísseis Patriot aos Emirados Árabes Unidos e ao Kuwait,(guerra do golfo) rendeu aos EUA cerca de 20 mil milhões de usd.
Como é sabido o armamento está constantemente a ser actualizado ou substituído por versões mais modernas também as munições têm de ser substituídas ou gastas visto que o seu prazo de validade em alguns casos não ultrapassa os 10 anos.
´Posto isto facilmente se verifica que os EUA vão continuar a ganhar biliões á custa da guerra.

Nós por cá também vamos pagar a factura e não bufar....isto se quisermos continuar a ter as sobras militares dos Americanos a preços módicos.

Viva a caridade
Umas guerrazitas fazem-se sempre geito aos poderosos. Primeiro mata-se. Depois ofertam-se as esmolas - com lágrimas, sorrisos e abraços - de reconstrução.
Viva a caridade!
Comentários 4 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub