0
Anterior
"Pedir ajuda é uma decisão de Portugal", diz Merkel
Seguinte
Cobrança de dívidas fiscais totaliza €1238 milhões
Página Inicial   >  Economia  >   Alexandre Relvas lança vinho dos Xutos

Alexandre Relvas lança vinho dos Xutos

A Herdade de S. Miguel, de Alexandre Relvas lança esta semana uma edição especial de mil garrafas de vinho dedicada à banda Xutos & Pontapés.
|
A carreira dos Xutos e Pontapés atravessa duas gerações da família Relvas
A carreira dos Xutos e Pontapés atravessa duas gerações da família Relvas  / Alberto Frias

Foi de uma conversa de amigos, entre Alexandre Relvas e Duarte Vasconcelos, o gestor comercial da marca Xutos & Pontapés, que nasceu a ideia de um tributo à banda em forma de garrafa de vinho.
A primeira experiência, em 2009, teve um carácter restrito e privado: o vinho circulou apenas entre os elementos da banda como prenda de Natal.

Um ano depois, a parceria entre a Casa Agrícola Alexandre Relvas e os Xutos ganha estatuto comercial com o lançamento no mercado de 500 caixas (mil garrafas) de uma edição especial que combina a enologia da Herdade de São Miguel com a decoração e o visual da banda.

A marca Xutos entra, aos 32 anos, no mundo dos vinhos com um Alentejo que incorpora Touriga nacional, franca e Cabernet Sauvignon.

Sem banalizar


A iniciativa "tem carácter comercial, mas houve a preocupação de não banalizar", refere Alexandre Relvas filho, 27 anos, diretor da Herdade de São Miguel. Alexandre formou-se em Viticultura e Enologia pelo Instituto Rural de Vayres (Bordéus) e estagiou em casas francesas, antes de se instalar no Redondo.

O segmento das edições especiais "é acarinhado por potenciar a notoriedade da Casa, mas a nossa vocação e especialidade é produzir sempre vinhos agradáveis e de grande qualidade para o mundo inteiro", refere Alexandre.

No caso dos Xutos, com uma carreira que atravessa gerações de fãs, "o público-alvo é o próprio povo português". Além do site da S. Miguel, a marca Xutos será vendida num pequeno grupo de garrafeiras, ao preço de €39,5 a caixa de duas garrafas.

Exportação em alta


Antes da experiência Xutos, a família Relvas associara-se à Fundação Aljubarrota, com uma edição de 2500 garrafas, repartidas entre as unidades portuguesas da cadeia El Corte Inglés e mercados de exportação, e encetara uma parceria virtuosa com a enóloga americana Elaine Montesqueu, colega de curso de Alexandre. Elaine produziu, com a marca Xeiro Xisto (6000 garrafas) uma versão 'americana', distribuída em exclusivo na Califórnia.

O mercado americano é, de resto, um dos principais destinos de exportação da Casa Relvas. Em 2010, exportou para 23 países 60% da sua produção de 1,13 milhões de garrafas, das cinco declinações sob a marca principal São Miguel. A faturação ficou nos 2,5 milhões de euros.

 A empresa "beneficia de excelentes parcerias comerciais que explicam o sucesso em mercados como a Bélgica, Brasil e Reino Unido. Em todos eles, temos margem para crescer", diz Alexandre Relvas.
A capacidade instalada está no limite, forçando a família Relvas a encarar uma futura ampliação da adega. A empresa estreou-se no mercado em 2003 e regista uma taxa anual de crescimento de 50%.

O plano, a cinco anos, é duplicar as vendas, reforçando a compra de uvas a viticultores da região. O investimento acumulado, entre adega e vinhas, na herdade é de 5 milhões. A família Relvas adquiriu a Herdade de São Miguel (175 hectares e com duas barragens) há 13 anos e prioriza a vinificação de castas portuguesas. A Logoplaste, de que Alexandre Relvas é um dos sócios, está também no negócio dos vinhos, através da Logowines.

Concerto no Hard Club


A celebração do vinho São Miguel/Xutos acontecerá no dia 13 (quinta-feira) no Porto, antes do concerto que a banda dará no Hard Club para assinalar o seu 32º aniversário. Faz sentido que o grupo abra com um dos raros temas (Dantes) que faz uma alusão indireta ao vinho: "Bebia mais um copo, matava-se o tempo".

Texto publicado no caderno de Economia do Expresso de 08/01/2011


Opinião


Multimédia

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 0 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub