0
Anterior
"Pedir ajuda é uma decisão de Portugal", diz Merkel
Seguinte
Cobrança de dívidas fiscais totaliza €1238 milhões
Página Inicial   >  Economia  >   Alexandre Relvas lança vinho dos Xutos

Alexandre Relvas lança vinho dos Xutos

A Herdade de S. Miguel, de Alexandre Relvas lança esta semana uma edição especial de mil garrafas de vinho dedicada à banda Xutos & Pontapés.
|
A carreira dos Xutos e Pontapés atravessa duas gerações da família Relvas
A carreira dos Xutos e Pontapés atravessa duas gerações da família Relvas  / Alberto Frias

Foi de uma conversa de amigos, entre Alexandre Relvas e Duarte Vasconcelos, o gestor comercial da marca Xutos & Pontapés, que nasceu a ideia de um tributo à banda em forma de garrafa de vinho.
A primeira experiência, em 2009, teve um carácter restrito e privado: o vinho circulou apenas entre os elementos da banda como prenda de Natal.

Um ano depois, a parceria entre a Casa Agrícola Alexandre Relvas e os Xutos ganha estatuto comercial com o lançamento no mercado de 500 caixas (mil garrafas) de uma edição especial que combina a enologia da Herdade de São Miguel com a decoração e o visual da banda.

A marca Xutos entra, aos 32 anos, no mundo dos vinhos com um Alentejo que incorpora Touriga nacional, franca e Cabernet Sauvignon.

Sem banalizar


A iniciativa "tem carácter comercial, mas houve a preocupação de não banalizar", refere Alexandre Relvas filho, 27 anos, diretor da Herdade de São Miguel. Alexandre formou-se em Viticultura e Enologia pelo Instituto Rural de Vayres (Bordéus) e estagiou em casas francesas, antes de se instalar no Redondo.

O segmento das edições especiais "é acarinhado por potenciar a notoriedade da Casa, mas a nossa vocação e especialidade é produzir sempre vinhos agradáveis e de grande qualidade para o mundo inteiro", refere Alexandre.

No caso dos Xutos, com uma carreira que atravessa gerações de fãs, "o público-alvo é o próprio povo português". Além do site da S. Miguel, a marca Xutos será vendida num pequeno grupo de garrafeiras, ao preço de €39,5 a caixa de duas garrafas.

Exportação em alta


Antes da experiência Xutos, a família Relvas associara-se à Fundação Aljubarrota, com uma edição de 2500 garrafas, repartidas entre as unidades portuguesas da cadeia El Corte Inglés e mercados de exportação, e encetara uma parceria virtuosa com a enóloga americana Elaine Montesqueu, colega de curso de Alexandre. Elaine produziu, com a marca Xeiro Xisto (6000 garrafas) uma versão 'americana', distribuída em exclusivo na Califórnia.

O mercado americano é, de resto, um dos principais destinos de exportação da Casa Relvas. Em 2010, exportou para 23 países 60% da sua produção de 1,13 milhões de garrafas, das cinco declinações sob a marca principal São Miguel. A faturação ficou nos 2,5 milhões de euros.

 A empresa "beneficia de excelentes parcerias comerciais que explicam o sucesso em mercados como a Bélgica, Brasil e Reino Unido. Em todos eles, temos margem para crescer", diz Alexandre Relvas.
A capacidade instalada está no limite, forçando a família Relvas a encarar uma futura ampliação da adega. A empresa estreou-se no mercado em 2003 e regista uma taxa anual de crescimento de 50%.

O plano, a cinco anos, é duplicar as vendas, reforçando a compra de uvas a viticultores da região. O investimento acumulado, entre adega e vinhas, na herdade é de 5 milhões. A família Relvas adquiriu a Herdade de São Miguel (175 hectares e com duas barragens) há 13 anos e prioriza a vinificação de castas portuguesas. A Logoplaste, de que Alexandre Relvas é um dos sócios, está também no negócio dos vinhos, através da Logowines.

Concerto no Hard Club


A celebração do vinho São Miguel/Xutos acontecerá no dia 13 (quinta-feira) no Porto, antes do concerto que a banda dará no Hard Club para assinalar o seu 32º aniversário. Faz sentido que o grupo abra com um dos raros temas (Dantes) que faz uma alusão indireta ao vinho: "Bebia mais um copo, matava-se o tempo".

Texto publicado no caderno de Economia do Expresso de 08/01/2011


Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 0 Comentar

Últimas

BES quer vender ativos

Está em curso avaliação exaustiva dos ativos. Saída de alguns mercados internacionais está em ...

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub